O Zen Vale dos Sinos tem como missão difundir os ensinamentos de Buda Shakiamuni em benefício de todos os seres.

terça-feira, 21 de setembro de 2010

PALAVRAS DO DARMA


Certa ocasião, um monge entrou na sala do mestre, ofereceu incenso, fez as devidas
reverências e disse: “Mestre, abandonei todas as coisas, estou livre de quaisquer apegos, o
que faço agora?”. O mestre respondeu: “Desapegue-se, livre-se disso.”

Confuso, o monge perguntou novamente: “O senhor não compreende, mestre. Eu disse que
estou completamente desapegado de tudo. O que faço?” E o mestre respondeu: “Então,
carregue isso com você”.

Há uma expressão antiga que diz o seguinte: “No começo a montanha era apenas uma
montanha. Depois, a montanha não era mais montanha. No final, a montanha é só uma
montanha”.

Apegado ao desapego, o monge não entendeu o Mestre que o ajudava a enxergar a saída da
armadilha em que entrara.

Solte tudo, livre-se do próprio desapego, das idéias, dos conceitos, da vontade de ser
bonzinho. Se encontrar Buda, mate Buda, é outra frase famosa. Pois Buda, para ser
encontrado tem de estar do lado de fora, e não há lado de fora. Entre apegos e desapegos
trilhemos o caminho da verdade com as bênçãos de Budas e Bodhisatvas, seres iluminados
de todos os tempos e raças, construiremos juntos com Zumbi dos Palmares os quilombos da
liberdade. “O galo cantou é para amanhecer”.

Extraído do texto “Desapegando” da Revista da Hora de 28 de novembro de 2004
Monja Coen